Share
Subscribe

From climate change to land rights - the best stories, the biggest ideas, the arguments that matter.

Sign up to our weekly email

Durante mais de dois anos, o actual Administrador do Parque, Pedro Muagura, subiu todos os meses por uma estrada de terra até à Serra da Gorongosa, em Moçambique, para monitorar secretamente um experiência ousada para reflorestar a terra seca da serra.

Equipado com mudas de café que a sua mãe lhe deu, ele começou a plantar, cercando estas plantas comerciais com árvores nativas de rápido crescimento que ele esperava que as protegessem e com o tempo restaurassem as florestas da serra.

banner
O Administrador do Parque, Pedro Muagura, sob árvores no Parque Nacional da Gorongosa, em Moçambique, em 30 de Maio de 2022. Thomson Reuters Foundation/Kim Harrisberg

Só quando a sua primeira colheita de grãos de café verde começou a ficar vermelho cereja, em 2011, ele revelou o seu plano, alinhado com o espírito de conservação centrado nas pessoas do Parque Nacional da Gorongosa: Dê às pessoas uma razão para proteger as florestas e elas o
farão.

"As pessoas costumavam dizer 'a floresta é para o futuro' - mas aqui a floresta é para agora", disse Muagura, sentado sob árvores no parque nacional, a sudeste da serra de mais de 1.800 metros onde seu plantio começou.

No ano passado, as comunidades em redor da Gorongosa plantaram mais de 260.000 plantas de café e 20.000 árvores indígenas, com a sua colheita mais recente a render 16 toneladas de café verde de mais de 800 pequenos agricultores, 40% dos quais são mulheres.

banner
Grãos de café recém-colhidos secam ao sol na Serra da Gorongosa em Moçambique, 26 de Maio de 2022. Thomson Reuters Foundation/Kim Harrisberg

As operações próprias do Parque empregam um total de 1.500 pessoas maioritariamente locais, em funções que vão desde a manutenção e orientação à investigação, tornando-o um dos maiores empregadores da província de Sofala, no centro de Moçambique.

Entre outras tarefas, os trabalhadores constroem escolas e hospitais para as comunidades locais, ajudam-nas a colher mel, plantam cajus - outra cultura comercial - e treinam excaçadores furtivos para se tornarem fiscais de conservação.

O trabalho para simultaneamente proteger a natureza e manter a economia local a funcionar decorre da visão de conservação incomum do Parque, que combina conservação da natureza, inovação tecnológica e pesquisa científica com educação comunitária e geração de empregos.

Em todo o mundo, estes esforços ambiciosos - pelo menos os bem-sucedidos - continuam sendo uma raridade, principalmente porque o financiamento internacional para a proteção da natureza fica aquém do necessário.

Das recentes expulsões do povo Maasai de reservas naturais na Tanzânia às batalhas dos indígenas Batwa no Uganda e San na Namíbia para manter as suas terras, as comunidades locais muitas vezes sofreram nas mãos de projectos de conservação que colocam os animais antes das pessoas.

Natureza em desaparecimento, pessoas ameaçadas

banner
Julius Samuel, que ajuda a liderar um projecto de cultivo de café na Serra da Gorongosa, Moçambique, sob árvores indígenas que crescem sobre o viveiro de árvores na serra, 26 de Maio de 2022. Thomson Reuters Foundation/Kim Harrisberg

Em Julho de 2021, as Nações Unidas divulgaram um projecto de estrutura de biodiversidade pedindo que 30% da terra e do mar da Terra fossem conservados até 2030, um plano chamado "30 por 30".

Os seus defensores dizem que é crucial proteger a natureza e os serviços essenciais que ela fornece, desde a produção de oxigénio e ingredientes-chave para medicamentos até a regulação das chuvas e a absorção do dióxido de carbono que altera o clima.

Mas o plano atraiu a ira de grupos de direitos humanos que dizem que pode levar a despejos em massa de povos indígenas.

banner
Vista das colinas verdes na Serra da Gorongosa, Moçambique, onde os projectos agroflorestais e de reflorestamento estão a ser realizados, 26 de Maio de 2022. Thomson Reuters Foundation/Kim Harrisberg

"Desde o início... a conservação entendeu os seres humanos como uma ameaça à biodiversidade e procurou excluí-los das áreas protegidas", disse Chris Kidd, consultor de políticas da organização de direitos humanos "Forest Peoples Programme".

O Parque Nacional da Gorongosa, no entanto, representa um afastamento da mentalidade de "fortalezas de conservação" que envolve barricar as comunidades para longe das reservas naturais e dos turistas que as visitam.

Ganhar a confiança das comunidades nem sempre foi fácil. Os primeiros esforços para restaurar o Parque provocaram temores de despejos nas comunidades vizinhas, mostraram pesquisas académicas. Mas os temores não se concretizaram.

banner
Gabriela Curtiz, a primeira guia feminina local do Parque Nacional da Gorongosa, junto à sede do Parque em Moçambique, 23 de Maio de 2022. Thomson Reuters Foundation/Kim Harrisberg

"Somos um parque nacional de direitos humanos", disse Gabriela Curtiz, de 23 anos, a primeira guia mulher do Parque, nascida no município vizinho da Vila da Gorongosa.

Os líderes da Gorongosa acreditam que o Parque - situado num dos países mais pobres do mundo e confrontado com crescentes choques climáticos, incluindo ciclones repetidos - também pode constituir um plano de conservação para outras partes ameaçadas do mundo.

"Se queremos ter sucesso, não podemos criar uma ilha. A terra deve pertencer às pessoas", disse Ângelo Levi, Director de Conservação da Gorongosa.

Inversão de marcha

O Parque Nacional da Gorongosa nem sempre foi uma história de sucesso.

Dezasseis anos de guerra civil em Moçambique no final do século XX mataram cerca de 1 milhão de pessoas antes de um acordo de paz  encerrar os combates em 1992. Gorongosa, um dos locais de conflito, ficou sem quase toda a sua fauna bravia.

O crescimento populacional e a urbanização nas comunidades vizinhas ameaçaram a biodiversidade remanescente à medida que as florestas indígenas foram derrubadas para lenha, agricultura e habitação. A caça furtiva continuou a ser uma preocupação.

banner
O conservacionista e filantropo americano Greg Carr olha para um mapa do Parque Nacional da Gorongosa no chão de um "bungalow" no parque Moçambicano, 22 de Maio de 2022. Thomson Reuters Foundation/Kim Harrisberg

Em 2004, o filantropo americano Greg Carr visitou o local, a convite do governo Moçambicano, e decidiu investir milhões de dólares para tentar fazer a conservação de forma diferente.

Ele disse que se inspirou na Peace Parks Foundation de Nelson Mandela, uma organização que visa usar parques nacionais e de conservação para conectar e reconstruir países anteriormente dizimados por conflitos.

"Sou apenas uma pessoa que veio e se juntou a um movimento que já estava a acontecer", observou.

Depois de ver as pastagens praticamente vazias do Parque, as florestas ribeirinhas e as savanas, Carr disse que entendeu o seu potencial de restauração.

"Este é um parque espetacular e pode se tornar um dos melhores da África com alguma ajuda", escreveu ele no livro de visitas do Parque na época.

Em 2008 ele assinou uma parceria público-privada com o governo para facilitar a restauração e proteção do Parque, cobrindo quase 405.000 hectares de terra. O contrato foi posteriormente prorrogado até 2043.

Sala de aulas viva

banner
O Administrador do Parque Pedro Muagura, ex-professor, ministra uma aula de biodiversidade a um grupo de alunos que visitam o Parque para o Dia Internacional da Diversidade Biológica no Parque Nacional da Gorongosa, em Moçambique, em 22 de Maio de 2022. Thomson Reuters Foundation/Kim Harrisberg

Desde o início do projecto, mais de 250 cientistas de mais de 40 universidades e outras instituições de pesquisa trabalharam no Parque.

Oferece um dos primeiros mestrados em conservação ministrados totalmente dentro de um parque nacional.

Para muitos cientistas - e também para a população local - a reserva tornou-se uma sala de aulas viva e a educação começa cedo.

"O que prejudica a biodiversidade?" Muagura, um ex-professor, pediu a uma sala cheia de alunos que visitavam a Gorongosa para celebrar o Dia Internacional da Diversidade Biológica e desfrutar de um safari.

Mãozinhas ergueram-se, uma a uma. "Desmatamento", disse uma criança. "Caça furtiva", disse outro.

Quase semanalmente, crianças das comunidades vizinhas são trazidas ao Parque para aprender sobre conservação, fazer safaris e conhecer animais como os pangolins, resgatados de traficantes.

A educação para a população local é crucial para que eles possam entender melhor o que está sendo protegido e porquê, dizem os funcionários do Parque.

banner
Um estudante sorri enquanto examina uma semente que lhe foi entregue durante uma aula sobre biodiversidade durante uma visita ao Parque Nacional da Gorongosa, Moçambique, 22 de Maio de 2022. Thomson Reuters Foundation/Kim Harrisberg

Nas áreas florestais do Parque, cientistas trabalham traçando mapas digitais, analisando fósseis, rotulando insectos e fotografando morcegos em laboratórios de pesquisa próximos à natureza.

Um 'laboratório ambiental' recém-construído - com paredes de rede para ventilação - permite que os investigadores estudem o impacto das mudanças de temperatura e disponibilidade de água em plantas e insectos, fornecendo pistas sobre o que o futuro pode reservar à medida que os choques climáticos se tornam mais comuns.

Usando um banco de dados de biodiversidade projectado localmente, os investigadores colectaram e documentaram milhares de espécies, incluindo insectos e rãs, e usaram um sistema de código de barras para permitir que os investigadores digitalizem e identifiquem rapidamente as muitas espécies na coleção do Parque.

Eles pretendem construir um inventário completo do 'Mapa da Vida' da diversidade biológica no Parque - o primeiro para qualquer área protegida em África.

banner
Um camaleão pigmeu da Gorongosa (Rhampholeon gorongosae), balança num dedo na Serra da Gorongosa, Moçambique, 21 de Julho de 2015. Thomson Reuters Foundation/Cortesia de Piotr Naskrecki

Cientistas e investigadores documentaram mais de 1.500 espécies de plantas no Parque e encontraram cerca de 100 insectos, morcegos e rãs novos para a ciência.

Um gravador ultrassónico regista as assinaturas acústicas dos morcegos em campo, ajudando os cientistas a identificá-los.

Muitos animais - alguns não vistos no século passado - foram redescobertos, incluindo um raro crustáceo e um morcego-ferradura.

"Cada espécie que adicionamos à lista é a prova de que o que estamos fazendo está a funcionar", disse Piotr Naskrecki, Director adjunto dos laboratórios científicos do parque nacional.

banner
Piotr Naskrecki, Director adjunto dos laboratórios de ciências do Parque Nacional da Gorongosa, ao lado de insectos alfinetados usados para investigação no parque de Moçambique, 22 de Maio de 2022. Thomson Reuters Foundation/Kim Harrisberg

Compreender a história antiga da reserva também é um grande foco de investigação.

Um estudante Moçambicano, Jacinto Mathe, está a concluir o doutoramento em paleontologia na Universidade de Oxford - mas regressa ao Parque para recolher dados.

"Se compararmos as mudanças antigas com as mudanças climáticas actuais, podemos prever melhor o que o futuro trará para a biodiversidade", disse Mathe, 29, pegando ossos e fósseis nas prateleiras do laboratório de paleontologia do Parque.

Tempestades e fogões

Face ao agravamento das secas, inundações e calor extremo em Moçambique - os funcionários viram pássaros mortos caírem do céu quando as temperaturas subiram no final de 2019 - o Parque da Gorongosa também se tornou uma experiência em tempo real para lidar com os impactos das alterações climáticas.

O ciclone Idai em 2019 trouxe ventos e chuvas incessantes que mataram centenas de pessoas, deslocaram milhares e causaram centenas de milhões de dólares em danos em países da África Austral, incluindo Moçambique, com sua longa costa do Oceano Índico.

Outros três ciclones tropicais impactaram o país desde então.

Na esteira do Idai, os fiscais e cientistas do Parque transformaram-se em trabalhadores humanitários ad hoc, usando helicópteros financiados pelo Parque para alcançar famílias atingidas por enchentes presas em telhados ou entregar comida para os famintos.

banner
Membros do comité de saúde e recursos naturais do Parque Nacional da Gorongosa à volta de uma mesa de alimentos de origem local como parte de um projecto para ajudar a melhorar a nutrição na zona de desenvolvimento sustentável do parqu Moçambicano, 24 de Maio de 2022. Thomson Reuters Foundation/Kim Harrisberg

Todas as actividades no Parque foram interrompidas por cinco meses para apoiar cerca de 50.000 sobreviventes das enchentes.

A "esponjosidade" do Parque - um termo usado para descrever como as árvores, plantas e pântanos ajudam a absorver o excesso de água da chuva - também salvou vidas.

Os gestores do Parque estimam que ele absorveu até 800.000 piscinas olímpicas de água durante o dilúvio, evitando inundações piores nas proximidades.

"A cidade da Beira foi devastada em comparação com as aldeias ao redor do parque", disse Eva Bernardo, 30 anos, membro de um comité local que trabalha com o Parque para combater a caça furtiva e o desmatamento por meio de “workshops”, patrulhas e plantio de árvores.

O desmatamento tropical contribui com cerca de 10% de todas as emissões criadas pelo homem que impulsionam o aquecimento global, de acordo com a agência anti-desertificação das Nações Unidas.

banner
Uma vista de uma cascata na Serra da Gorongosa, perto de uma plantação de café na serra em Moçambique, 26 de Maio de 2022. Thomson Reuters Foundation/Kim Harrisberg

Isso faz com que encontrar maneiras de contê-lo seja crucial para proteger o clima e a natureza.

Perto da Gorongosa, cerca de 10.000 fogões ecológicos foram doados às comunidades perto do Parque para reduzir a quantidade de lenha que precisam de cortar para cozinhar refeições.

"Não é fácil - mas sem o desenvolvimento das pessoas, não podemos proteger a natureza", disse Elisa Langa, Directora de Desenvolvimento Humano do Parque, que lidera projectos que abordam uma série de questões sociais, incluindo casamento infantil.

Tecnologia e pessoas

banner
Margarida Victor, especialista em Sistemas de Informação Geográfica (GIS) que trabalha no Parque Nacional da Gorongosa, mostra como a tecnologia do Parque foi usada para mapear áreas de inundação durante o ciclone Idai, que atingiu aquela área de Moçambique em 2019, 23 de Maio de 2022. Thomson Reuters Foundation/ Kim Harrisberg

Perto do famoso centro de resgate de pangolins do Parque, onde veterinários cuidam do animal mais caçado do mundo, a veterinária Mércia Ângela monitora o movimento de outras espécies ameaçadas do Parque num painel digital interactivo.

"Esta tecnologia torna as nossas vidas muito mais fáceis", disse ela, demonstrando como ela usa serviços de comunicação via satélite integrados através do software EarthRanger para rastrear coleiras colocadas nas espécies mais ameaçadas do Parque, incluindo mabecos, leões e elefantes.

O sistema, instalado em 2018, permite que os fiscais monitorem os movimentos dos animais numa tela grande nos seus escritórios.

Os trabalhadores podem definir notificações do WhatsApp para alertá-los quando animais selvagens entrarem em assentamentos ou pararem de se mover por longos períodos e puderem estar em perigo.

Isso permite que eles, por exemplo, determinem quando enviar fiscais para verificar um animal ou onde instalar colmeias, o que pode ajudar a impedir os elefantes de comer as colheitas.

Quando os elefantes ameaçam as machambas e a segurança de uma comunidade, os fiscais às vezes lançam fogos de artifício e usam lanternas e buzinas, para os afugentar.

banner
A veterinária de fauna bravia Mércia Ângela e o gestor do parceiro EarthRanger, Bruce Jones, monitoram o movimento de espécies ameaçadas num painel digital interactivo na sala de controle do Parque Nacional da Gorongosa em Moçambique, 25 de Maio de 2022. Thomson Reuters Foundation/Kim Harrisberg

Parcialmente em resposta a essas proteções intensificadas para as comunidades, a caça furtiva caiu mais de 80% desde que a parceria público-privada foi estabelecida, disse Marc Stalmans, Director de Serviços Científicos do Parque.

Apesar do sucesso da tecnologia, os fiscais dizem que a tecnologia sozinha não é a resposta para melhorar a conservação.

"Podemos usar toda a tecnologia que precisarmos, mas o melhor recurso são as botas no terreno", disse Jes Lefcourt, Director de Tecnologia de Conservação da EarthRanger, de dentro da sala de controlo da Gorongosa.

Parque da paz

A Serra da Gorongosa está lentamente a ficar verde à medida que as suas árvores ficam mais altas e os habitantes locais relatam que o solo e a vida selvagem estão mais saudáveis a regressar à zona de desenvolvimento sustentável em redor do Parque.

Mas garantir a conservação contínua da área à medida que a população local cresce - o que pode aumentar a pressão para o corte de árvores, agricultura e caça furtiva - é um desafio.

"As pessoas precisam comer agora", disse Langa, Directora de Desenvolvimento Humano do Parque.

banner
Membros da comunidade caminham em direção a uma escola financiada pelo Parque Nacional da Gorongosa na zona de desenvolvimento sustentável do Parque em Moçambique, 24 de Maio de 2022. Thomson Reuters Foundation/Kim Harrisberg

Além disso, embora os combates tenham cessado em grande parte, o conflito ainda ocorre ocasionalmente entre a Frente para a Libertação de Moçambique (FRELIMO) e as forças insurgentes anticomunistas da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO).

O Parque foi o local de um acordo de paz assinado em 2019 que reuniu as duas partes, ambos plantando árvores no Parque como um gesto de paz.

Mas mesmo durante os períodos de luta entre 2013 e 2018, as mulheres que viviam perto da vila da Serra da Gorongosa esgueiravam-se quando os canhões silenciavam para regar e capinar os pés de café, mantendo o projecto vivo.

.

Agora elas estão literalmente a colher os frutos de seu trabalho.

"Nós sofremos muito durante o conflito", disse a agricultora Imaculada Furanguene, fazendo uma pausa na colheita de grãos de café na plantação de 241 hectares iniciada com a experiência secreta de plantio de Muagura em 2009.

"Mas hoje eu tenho uma moto, uma máquina de costura, tenho uma casa com chapas de ferro em vez de barro e mando os meus filhos para a escola", disse ela.

banner
As cultivadoras de café Imaculada Furanguene e Fatiança Paulino sorriem ao secar grãos de café vermelho na Serra da Gorongosa, em Moçambique, 26 de Maio de 2022. Thomson Reuters Foundation/Kim Harrisberg

Estes são marcos de mudança de vida num país onde 43% das pessoas sofrem de desnutrição crónica e quase uma em cada cinco raparigas casa-se antes dos 15 anos, de acordo com a UNICEF, a agência da ONU para crianças.

Os funcionários do Parque da Gorongosa também facilitam os "Clubes da Paz" para ajudar a educar os ex-combatentes, as suas famílias e comunidades.

'Ser respeitoso, ser paciente'

Desde que os esforços para o reactivar começaram, o Parque investiu o equivalente a US$ 30 milhões em projectos de desenvolvimento humano e sustentável para 200.000 pessoas que vivem na zona de desenvolvimento sustentável do Parque, disse a sua equipa financeira, com financiamento vindo de novos doadores além de Carr.

Os turistas que visitam o Parque hoje em dia são incentivados a comprar o café e o mel produzidos pelas comunidades próximas, para colocar dinheiro num modelo que os patrocinadores esperam se tornar autossuficiente com o tempo.

As comunidades também podem eventualmente beneficiar de um esquema de crédito de carbono a ser implementado, o que lhes proporcionaria uma renda em troca da proteção das suas florestas nativas, que absorvem o dióxido de carbono que altera o clima.

banner
Raparigas dançam do lado de fora de uma sala de aula paga pelo Parque Nacional da Gorongosa na zona de desenvolvimento sustentável ao redor do Parque na província de Sofala, Moçambique, 24 de Maio de 2022. Thomson Reuters Foundation/Kim Harrisberg

Um dos maiores pontos fortes do Parque Nacional da Gorongosa, disse Carr, o seu principal financiador, é que 98% dos seus funcionários são Moçambicanos e podem operar nas línguas e culturas locais de uma forma que os estrangeiros não poderiam.

Ele disse que uma das lições mais importantes que aprendeu na Gorongosa é “ser respeitoso, ser paciente, deixar que (os locais) tomem as decisões” para tentar garantir que a biodiversidade e as pessoas se beneficiem a longo prazo.

"Acho que poderia morrer hoje e tudo isto iria para a frente", disse ele.

banner
Uma ave voa sobre um lago enquanto o sol se põe e deixa a água e o céu cor-de-laranja no Parque Nacional da Gorongosa, em Moçambique, 30 de Maio de 2022. Thomson Reuters Foundation/Kim Harrisberg

Mover-se com um ritmo paciente pode ser um desafio para outras iniciativas de restauração de conservação, no entanto, com muitas enfrentando financiamento incerto ou pressão para mostrar progresso dentro do espaço de doações de curto prazo.

Muagura, agora famoso localmente pela sua plantação de árvores e conhecimentos florestais, diz que mais sucessos como o da Gorongosa são urgentemente necessários.

"As áreas protegidas são uma forma de dar ao mundo a oportunidade de minimizar as mudanças climáticas", observou. "Estes são os nossos bancos ambientais."

Reportagem: Kim Harrisberg

Edição de texto: Laurie Goering

Potografia: Kim Harrisberg, com foto courtesia de Piotr Naskrecki

Videografia: Kim Harrisberg

Grafismo: Diana Baptista

Edição de vídeo: Jacob Templin

Produção: Amber Milne

Tradução em inglês aqui


																												
																												



														
																												
																												



														
																												
																												



														
															
																									
																							
																								
											

More fromKim Harrisberg

-->